terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Amador [parte 3]

o velocímetro já marca 120 km/h



A declaração da jornalista o deixa sem ação. Não consegue pensar mais em nada. Fecha os olhos, inspira e expira três vezes em seguida, vira o rosto e finalmente resolve encarar a mulher. “O que foi que você disse?”. Ela sorri, bebe os dois copos de Whisky que segurava, e com uma voz firme, responde com o mesmo olhar que é fitada.”Isso mesmo que você ouviu, presidente. Eu sei de toda a sua história como profissional do sexo. Sei o site de relacionamentos que o senhor usava, o codinome de ‘El Amador Solitário’, que utilizava para se apresentar as clientes, os motéis que frequentava, enfim. Eu tenho um relatório de toda a sua vida”.

A afirmação dela é tão segura que o deixa desconcertado. Tenta negar, mas ele próprio não acredita em suas palavras e acaba admitindo a verdade. Como ela conseguiu todas essas informações? Isso pode destruir a minha carreira. Eu preciso matar essa mulher. “O que você quer para esquecer tudo isso que está falando?”, pergunta. “Depende de você”, ela responde. “Vou ser mais objetivo. Quanto você quer?”. Ela sorri novamente. “Quanto vale a sua reputação, presidente?”.

Ele a convida para entrar no carro e diz que está pronto para pagar o que for necessário para ela desaparecer da mineradora e nunca mais tocar no assunto. Ela aceita o convite. Os dois saem do centro de convenções. Ele pergunta como ela soube de tudo. Ela responde que começou a carreira como repórter investigativa. “Isso era um segredo que mais cedo ou mais tarde seria descoberto. Afinal, essa cidade não é tão grande assim e uma hora ou outra alguma de suas clientes iria acabar o reconhecendo. Agora mais do que nunca, já que se tornou presidente da empresa e  automaticamente, terá seu trabalho acompanhado pela mídia”, diz a jornalista, enquanto fuma um cigarro, ao dele, a 60 km/h.

“Você invadiu a minha privacidade e sabe muito bem que isso é crime”. Ele acelera o carro. “Eu não invadi a privacidade de ninguém. As coisas estavam muito óbvias. No site de relacionamentos erótico, além de se apresentar com o seu sobrenome, o senhor deixava muitas pistas sobre sua vida, presidente”. Ele continua acelerando, o velocímetro já marca 120 km/h. “O que você está fazendo? Para quê essa pressa toda, o senhor enlouqueceu?”. Ele sorri e puxa o freio de mão. O carro para bruscamente após rodopiar em uma avenida próxima ao aeroporto da cidade. Ela começa a gritar histericamente.

No relógio, 22 horas. “Você tem medo de morrer é? Devia ter pensado nisso antes, não acha?”. O olhar da jornalista é de desespero. Ele pega um revolver calibre 38 de dentro do porta-luvas e aponta em direção a ela. “Fim do jogo pra você, repórter investigativa”.


Continua no próximo capitulo... 

Nenhum comentário:

Postar um comentário