quinta-feira, 13 de outubro de 2011

O fenômeno de Cametá

É entre sacos de farinha d’ água numa barraca na feira livre de Cametá, município localizado a 150 km de Belém, que o cantor e feirante Bernadino Sena da Cruz, 53 anos, comercializa seus discos. Desde 2000, ano em que começou a fazer suas composições Dino Sena, como é conhecido, acumula mais de 120 músicas e já gravou 21 CDs autorais. A inspiração para as canções vem de todos os lugares, de sonhos a notícias no jornal, de histórias contadas em praça pública a filmes na televisão.

De visual estiloso, com trancinhas rastafári, adereços coloridos e um linguajar caboclo, ele faz questão de narrar cada história que existe por trás de suas composições antes de cantar. Em dez anos de carreira seu maior sucesso é a música “Sharon Stone”, feita em homenagem a atriz norte-americana com o nome título da canção. “Eu estava assistindo o filme O Vingador do Futuro na televisão quando a beleza daquela mulher me encantou. E então eu disse, porque não fazer uma música pra ela? E então decidi fazer uma homenagem pra essa musa do cinema. Foi assim que nasceu a música mais conhecida da minha carreira”, afirma.

Dino Sena já compôs mais de 120 músicas

Na letra de “Sharon Stone”, Dino Sena declara seu amor pela atriz e diz sentir inveja do ator Arnold Schwarzenegger, que contracena com ela no filme. Nas estrofes da música frases como “Me dá inveja do Árnou Esfacenégar, o vingador do futuro, beijando os teus lindos lábios, amaciando teus lindos seios. Quase morro de paixão...” mostram com clareza a irreverência contida nas letras de suas composições. Uma das suas principais características.

Sua primeira música surgiu após um sonho, considerado por ele uma luz divina. Desde então, não parou mais de compor. Ele afirma que possui guardado em sua casa um estoque de músicas inéditas que ainda pode render mais uns três discos. E isso já está em seus planos. Pretende gravar os próximos CDs da mesma forma que gravou os demais, pagando todas as despesas de seu próprio bolso, do pouco que ganha como vendedor de farinha.

                                  Clipe da música Sharon Stone, gravado na cidade de Cametá-PA

Fã de Roberto Carlos e Elvis Presley, suas maiores referências, Dino acredita que o artista não deve fazer apenas um estilo de música. Tanto que o ecletismo presente em suas canções varia do bolero ao samba de raiz e do forró ao reggae . “Eu gosto de fazer música de todos os ritmos. Pintou a inspiração na minha cabeça eu faço, pode ser brega, lambada, forró ou até samba enredo. Já fiz música falando de chuva, de casos policiais, de mulher que abandona o marido, de cachorro perdido e ixi!... não tem conta. É por isso que eu sou o fenômeno da música de Cametá”, garante.

Atualmente Dino se prepara para o maior desafio da sua carreira. Enfrentar 2.933 km de ônibus de Belém a São Paulo para divulgar o seu trabalho. E tudo isso, sozinho. “Quando eu chegar lá, vou bater cada dia numa porta de uma emissora de televisão. Se for preciso ficar sentando na calçada eu vou ficar. Sei que vai ser difícil, mas preciso mostrar meu trabalho lá fora”, conta. A viagem já estava programada há muito tempo, mas somente agora conseguiu realizar seu sonho. Na bagagem algumas roupas, o inseparável violão e os 21 CDs gravados.

2 comentários:

  1. uau,vc descobre coisas hilárias,muito boa essa história, vc me surpreende a cada dia,mito legal o clip!!

    ResponderExcluir