terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Que santo é aquele que vem acolá?

No próximo dia 18 de dezembro a cidade de Bragança, município localizado no nordeste paraense, dará início a mais uma Festividade do Glorioso São Benedito. E com ela, a renovação de uma das maiores manifestações de resistência cultural na Amazônia, a Marujada de São Benedito. Um ritual de dança, canto e devoção em louvor ao santo padroeiro dos escravos.
Apesar do ápice da festividade ser durante o último mês do ano, os preparativos para a festa começam bem antes. “Mais precisamente entre o final de abril e o início de maio, dependendo da estiagem da chuva”, explica João Batista Pinheiro, presidente da Irmandade da Marujada. É nesse período que três comissões formadas por devotos de São Benedito saem da cidade de Bragança para peregrinarem por toda a região levando a imagem do santo de casa em casa. Esse ritual possui uma média de sete meses e só termina nos dias próximos à festividade quando as comitivas retornam para o município.
Denominadas de comitiva de “São Benedito da Colônia”, “São Benedito dos Campos” e “São Benedito da Praia”, é durante a esmolação que o laço dos devotos com o “santo preto” passa do campo espiritual para o campo real. “As pessoas não recebem em casa apenas uma imagem de São Benedito, elas recebem o próprio santo, como se fosse gente. Um ente querido”, afirma o historiador Dário Benedito Rodrigues. Segundo ele, é durante o ritual da esmolação que ocorre a renovação da fé entre os devotos do santo.
O simbolismo presente na esmolação é marcado por vários ritos. De acordo com o pesquisador Dedival Brandão, o momento da reza é o mais importante de todos, pois corresponde ao agradecimento do devoto. "Outro rito fundamental durante a esmolação é a prática de cantar uma folia, isto é, uma quadra de versos com temas bíblicos, entoados na casa dos devotos em troca de um donativo que pode ser dinheiro ou gênero alimentício” conta Brandão.
De acordo com o padre Nelson Magalhães, diretor religioso da Festividade, cada comitiva possui um encarregado. Uma pessoa indicada pela Irmandade da Marujada e pela Igreja para coordenar o grupo de esmolação. Exercendo a função de encarregado da Comitiva da Praia pelo terceiro ano consecutivo, José Brito, conhecido como Zezinho, se diz muito gratificado com o seu trabalho. “Eu sou muito grato por levar São Benedito aos seus devotos. É muito bom trabalhar com as coisas de Deus e Ele certamente recompensa a gente por isso”, afirma Zezinho. Acompanhe abaixo, um pouco mais sobre essas comitivas:


terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Os dez filmes da década


No próximo dia 31 de dezembro não termina apenas o ano, mas também uma década. E, diga-se de passagem, a primeira década dos anos 2000. Tempo para reavaliar conceitos, repensar padrões, fazer uma retrospectiva do quanto evoluímos e/ou involuimos nesses dez anos. E claro, também fazer as famosas listas dos melhores da década. Discos, músicas, filmes, livros... Pensando nisso, propus um desafio a dois amigos blogueiros, a jornalista Yorranna yorrannaoliveira.blogspot.com e o estudante de Comunicação Social Eraldo Paulino eraldopaulino.blogspot.com. Criar uma lista com os dez melhores filmes lançados na última década.
Como toda eleição de “lista de dez mais” que se preze a nossa também não faz nenhuma questão de ser democrática. É obvio que surgirão criticas, condenações, gente que discorda apenas por discordar, mas sinceramente. Que graça tem ser unânime?
A minha lista especificamente não segue nenhum padrão técnico, de estética, de superproduções cinematográficas ou originalidade. Apenas o quesito roteiro impecável. E o que todos esses filmes têm em comum? O fato de após sair da sala de cinema pensar: “Eu queria ter escrito isso”. Então vamos ao que interessa.
Em décimo lugar, o longa-metragem norte-americano Sobre Meninos e Lobos (2003) do diretor Clint Eastwood. Na nona posição o filme brasileiro Zuzu Angel (2006) de Sergio Resende. Em oitavo lugar o musical Across The Universe (2007) de Julie Taymor. Ocupando a sétima posição o clássico O Leitor (2009), do diretor Stephen Daldry, baseada no romance de Bernhard Schlink. Em sexto lugar, o brasileiro Cidade de Deus (2002) de Fernando Meirelles.
A quinta posição traz À Procura da Felicidade (2006), de Gabriele Muccino. Em quarto lugar O Segredo de s
eus Olhos (2010), do argentino Juan José Campanella. A terceira posição da lista fica com o filme Última Parada 174 (2008), do diretor Bruno Barreto. Em segundo lugar Os Sonhadores (2003) de Bernardo Bertolucci. E no topo da lista, Diários de Motocicleta (2004) de Walter Salles.
Dando sequencia ao desafio agora passo a bola para o Eraldo Paulino. Então caríssimo, qual a sua lista?